O DESAFIO DE DÉCADAS CONTINUA: UMA ANÁLISE SOBRE A ATUAÇÃO FEMININA NO RADIOJORNALISMO DE BLUMENAU

Tamara Carolina Schweder, Eumar Francisco Silva

Resumo


O presente artigo se interessa pela realidade local do radiojornalismo, buscando
compreender o motivo que tem feito as mulheres serem minoria nas principais rádios que possuem programação jornalística. Observa-se que as mulheres são maioria em outros meios de comunicação como assessoria de imprensa e televisão, mas no rádio ainda o jornalismo se mostra masculino. Identificando essa realidade, se faz necessário constatar se a mulher vem sofrendo algum tipo de preconceito, ou enfrentado algum impedimento ao tentar ingressar no radiojornalismo de Blumenau. Para a realização dessa análise sobre a comunicação local e a atuação das mulheres, foi realizado um estudo de caso usando a técnica de entrevistas em profundidade e análise documental. A partir desse levantamento, salienta-se a necessidade de buscar meios para atrair mais mulheres jornalistas para o rádio, deixando este veículo de ser predominantemente masculino conforme mostra a história.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA FILHO, André. Gêneros Radiofônicos – Os formatos e os programas em áudio.

BRUSCHINI, Cristina. Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não

remunerado?. In ARAÚJO, C.; PICANÇO, F.; SCALON, C. (orgs.). Novas conciliações e

antigas tensões?: gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. BAURU,SP: EDUSC,

______. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n.

, 2007.

______. Desvendo o oculto: família e trabalho domiciliar em São Paulo. In ABREU A. R. P:

SORJ B. (orgs). O trabalho invisível: estudos sobre trabalhadores a domicilia no Brasil. Rio de

Janeiro: Rio Fundo, 1993.

CARVALHO, Kalyne. No Dia Internacional da Mulher, SJSC presta homenagem à jornalista

Elaine Borges, uma das primeiras sindicalizadas. Disponível em: Acesso em: 23 set. 2013.

REIS, Clovis. Propaganda no rádio: os formatos de anúncio. Blumenau, Edifurb, 2008.

GUIMARÃES, Ana Lúcia. Por que hoje no Brasil mais mulheres buscam o ensino superior?

Trajetórias educacionais, família e casamento em questão. Tese (doutorado em Sociologia e

Antropologia). IFCS/UFRJ. 2003.

HABIB, Lia. Jornalista: profissão mulher. São Paulo, Sapienza Editora, 2005

HIRATA, Helena. Tecnologia, formação profissional e relações de gênero no trabalho. Revista

Educação & Tecnologia [on-line]. Curitiba: Cefet-PR. Volume 6, nº 1, maio, 2004.

_____________. Visão comparativa sobre o trabalho feminino na França, Japão e no Brasil. In

LIMA, M. E. et al (orgs.) Transformando as relações trabalho e cidadania: produção, reprodução

e sexualidade. São Paulo: CUT/BR, 2007

____________. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista

Latinoamericana de Estudios del Trabajo. Ano 4. n.7. São Paulo, ALAST, 1998.

TAMARA CAROLINA SCHWEDER E EUMAR FRANCISCO SILVA

COMUNICAÇÃO - REFLEXÕES, EXPERIÊNCIAS, ENSINO |Curitiba | v. 14| n.1|p. 029-044| 1° Semestre 2018 | 65

JUNG, Milton. Jornalismo de rádio. São Paulo: Contexto, 2004.

LAVINAS, Lena. NICOL, Marcelo. Atividade e vulnerabilidade: quais os arranjos familiares

em risco? Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v.. 49, n. 1, 2006.

LEMOS, Lis Carolinne; BANDEIRA, Denize Daudt. Revista do Rádio: mulheres

em evidência. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Intercom – Sociedade

Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXIV Congresso

Brasileiro de Ciências da Comunicação – Recife, PE – 2 a 6 de setembro de 2011

OCKRENT. C. (org). O Livro negro da condição das mulheres. Rio de Janeiro: Difel, 2011.

SANTOS, Maria Inês Detsi de Andrade. Gênero e comunicação: o masculino e o feminino em

programas populares de rádio. São Paulo: Annablume, 2004.

SILVA, Tatiana Q. da F. Relações de gênero no mercado de trabalho: em especial o papel da

mulher em ocupações predominantemente masculinas. Monografia (conclusão de graduação

em Ciências Sociais). IFCH/UERJ. Abril de 2006.

TOMÉ, Michele. Jogos de Poder: As estratégias de Comunicação de Mulheres e Homens

no Rádio. Curitiba, 2008, Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em

Sociologia, Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal do Paraná.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.