FORMAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Janice da Silva Pereira, Mariléia Wolff Tubs

Resumo


Nos dias atuais com o processo de globalização e a aceitação às diferenças o trabalho
do professor sofreu alterações, no sentido de ter que aprender a trabalhar com os mais
diferentes tipos de deficiências. A escola tem papel fundamental para a aprendizagem
e facilitação da inclusão, deve oferecer ao aluno com deficiência, um profissional
capacitado, e a esses oferecer cursos com a finalidade de conhecer novas práticas de
ensino e adaptação ao currículo escolar. Os processos de inclusão de sujeitos com
deficiência têm representado enorme desafio à prática pedagógica dos professores em
geral. No que diz respeito ao espaço físico oferecer acessibilidade, materiais didáticos
adaptados, para facilitar a inclusão. A escola de ensino regular deve propiciar aos
alunos com deficiência condições de passar de um tipo de ação automática e mecânica
para atividades que proporcionem aprendizagens significativas. Este sujeito muitas
vezes quando não é bem assistido e direcionado vê diminuídas as suas oportunidades,
de conviver com outros, de descobrir possibilidades e potencialidades, de encarar
desafios, levando esta aprendizagem para sua a vida. Assim esse estudo tem como
objetivo Geral: Conhecer a formação e a prática pedagógica realizada por um segundo
professor, que atua com um aluno que possui deficiência, de uma escola da rede
Estadual de ensino, localizada no município de Lages, SC , e objetivos específicos:
Verificar se há plano de aula específico para este aluno; Saber se a escola possui
itens de acessibilidade; averiguar se há o contato do segundo professor com a família
do aluno; analisar como é feita a avaliação do aluno com deficiência física e mental;
identificar qual nível de formação acadêmica do profissional que atua como segundo
professor. Quanto a metodologia, a pesquisa será de caráter exploratório. Os sujeitos
da pesquisa será o segundo professor e o aluno com deficiência, quanto as técnicas
de coleta de dados será realizada por meio de questionário com perguntas abertas,
observação e debate participante. A análise dos dados será feita de forma qualitativa.
Embora tal projeto esteja em andamento, é possível afirmar através das observações
e escritos no referencial teórico, que há necessidade de um acompanhamento
educacional desse sujeito com deficiência, vale lembrar que o profissional que irá
trabalhar com este aluno deve ter uma boa formação nesta área de inclusão. Sendo
preciso refletir sobre a formação dos educadores, não apenas no sentido de preparar
para a diversidade, mas para a verdadeira inclusão, o professor deve conhecer as
dificuldades encontradas pelo aluno, buscando entendê-lo em suas diferenças únicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIM, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: 70, 200-. 277 p

BRASIL. Senado Federal. Lei nº 9.394 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases

da Educação Nacional, Brasília: presidente da República, Casa Civil, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Educação infantil -

saberes e práticas para educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2003.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

pdf.> Acessado em 03/06/2017

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FONSECA, Vitor da. Educação especial: programa de estimulação precoce 2. ed. revista e

aumentada-Porto Alegre: Artes Médicas Sul,1995.

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-

politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-

&Itemid=30192

Acessado em 03/06/2017

http://www.posgraduacaoredentor.com.br/hide/path_img/conteudo_542346c163783.pdf.

Acessado em 03/06/2017

Acessado em 03/06/2017

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem:

FORMAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

| COMUNICAÇÃO - REFLEXÕES, EXPERIÊNCIAS, ENSINO |Curitiba | v. 14| n.1|p. 107-114| 1° Semestre 2018

métodos, avaliação e utilização. Trad. De Ana Thorell. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 3. ed. Rio de

Janeiro: WVA, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.