Publicidade contemporânea no contexto digital: riscos e potencialidades

Paula Viegas

Resumo


Considerando a atualização constante da publicidade frentes às novas tecnologias, este artigo tem como objetivo compreender como a publicidade tem se apropriado das ferramentas de comunicação e informação na internet. Busca-se explorar as possibilidades da publicidade no contexto atual, lançando um olhar crítico para os riscos e potencialidades de sua apropriação. Para isso, foi realizado um levantamento bibliográfico, com a finalidade de mapear algumas ferramentas de tecnologia da informação na internet e contextualizá-las no contexto contemporâneo.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Giovanna; NICOLAU. Marcos. Big Data, publicidade e o consumidor dataficado: o caso da série House of Cards. Cultura Midiática. Ano X, n. 18 - jan-jun/2017.

BEER, David. Social network(ing) sites…revisiting the story so far: A response to danah boyd & Nicole Ellison. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 2, p. 516-529, 2008.

BOYD, Danah. It’s complicated: the social lives of networked teens. New Haven: Yale University Press, 2014.

BOYD, dannah; ELISSON, Nicole. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication. 2007, vol. 13, nº 1, pp. 210–230.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CORSANI, A. Elementos de uma ruptura: a hipótese do capitalismo cognitivo. In: Galvão, A. PP.; Silva, G.; Cocco, G. (orgs.), Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. pp. 16-32.

DONATI, Luisa Paraguai. Computadores vestíveis: convivência de diferentes espacialidades. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 3, n. 6, 2004, p. 93-102.

ELISSON, Nicole; BOYD, dannah. Sociality through Social Network Sites. In: Dutton, W. H. (Ed.), The Oxford Handbook of Internet Studies. Oxford: Oxford University Press, 2013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

______. A ordem do discurso. Loyola: São Paulo, 1996.

GOMES, Neusa Demartini. Publicidade: Comunicação persuasiva. Porto Alegre: Sulina, 2008.

GILLESPIE, Tarleton. The relevance of algorithms. In: GILLESPIE, Tarleton; PABLO, J. T.; BOCZKOWSKI, K. A. F. (Eds.). Media technologies: Essays on communication, materiality, and society. Cambridge: MIT Press, 2014. p. 167–194.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LEMOS, A. Mídia locativa e territórios informacionais. In: SANTAELLA, Lucia; ARANTES, Priscila (Orgs.). Estéticas tecnológicas. Novos modos de sentir. São Paulo: EDUC, 2007, p. 207-230.

______. Apropriação, desvio e despesa na cibercultura. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, [s. l.], 2006. Disponível em: .

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LUHMANN, Niklas. A improbabilidade da comunicação. Lisboa: Vega, 2006

______. A realidade dos meios de comunicação. São Paulo: Paulus, 2005.

MARCONDES, Pyr. Uma história da propaganda brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

MATTELART, Armand. La publicidad. Barcelona: Paidós, 1991.

MOORE, Phoebe; ROBINSON, Andrew. The quantified self: What counts in the neoliberal workplace. New Media & Society, [s. l.], v. 18, n. 11, p. 2774–2792, 2016.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. p. 7-23. p.47-71.

PEREZ, Clotilde. Ecossistema publicitário: o crescimento sígnico da Publicidade. In: Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016.

RHEINGOLD, Howard. Smart Mobs: the next social revolution. Cambridge: Basic Books, 2003.

TURKLE, S. Alone Together: Why we expect more from technology and less from each other. New York: Basic Books, 2011. pp. 151-208.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.