Conexões perigosas: a não comunicação de um jornalismo que não pensa. Uma discussão sob a ótica da nova teoria da comunicação

Rafael Kondlatsch, Edson Gil Santos Jr.

Resumo


Este ensaio traz uma breve reflexão sobre o jornalismo a partir de algumas ideias do que o professor Ciro Marcondes Filho chama de “nova teoria da comunicação”. O objetivo é levantar a questão sobre a falta de pensamento por parte dos profissionais em relação à própria profissão e apresentar um caso prático de como a manipulação da informação por um jornalismo que não pensa pode resultar em verdadeiro desastre no dia a dia das redações.

Texto completo:

PDF

Referências


ALSINA, Miquel Rodrigo. La construcción de la noticia. Barcelona, Paidós Comunicación, 2005.

ECO, Umberto; FABBRI, Paolo. Progetto di ricerca sull’utilizzazione dell’informazione ambientale in Problemi dell’informazione, Il Mulino, Bologna, nº 4, out/dez. 1978. Disponível em http://www.paolofabbri.it/saggi/progetto_ricerca.html. Acesso em 12 de maio de 20195.

Escritor rionegrense lança seu segundo livro. Jornal Gazeta de Riomafra. Mafra-SC, p. 15, 19 de novembro de 2014.

LAGE, Nilson. Ideologia e Técnica da Notícia. Florianópolis: Insular, Ed. da UFSC, 2001.

LIPPMANN, Walter. Public opinion. New York, Free Press, 1997.

MARCONDES, Ciro. Comunicabilidade na rede: chances de uma alteridade medial. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, Universidade de São Paulo – USP, ano 39, n. 37, 2012, p. 188-200.

MARCONDES FILHO, Ciro. Jornalismo fin-de-siècle. São Paulo, Editora Página Aberta, 1993.

MARCONDES FILHO, Ciro. O Rosto e a máquina: o fenômeno da comunicação visto pelos ângulos humano, medieval e tecnológico. São Paulo, Paulus, 2013.

MARCONDES FILHO, Ciro. Por que a Nova Teoria é uma forma diferente de se pesquisar o jornalismo. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 19, n. 3, set./dez. 2012, p. 759-774.

SODRÉ, Muniz., PAIVA, Raquel. Informação e boato na rede. In. SILVA, Gislene et. al. (org.). Jornalismo Contemporâneo: figurações, impasses e perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.