Claros ou escuros: um passeio pela história do racismo no Brasil

Felipe Maciel Tessarolo, Nathália http://lattes.cnpq.br/2492983097565601 Esteves da Silva

Resumo


No presente artigo apresentamos algumas reflexões acerca da origem do discurso estereotipado sobre os negros, como raça inferior, e suas implicações na construção da identidade negra do Brasil, tendo como base Muniz Sodré. Alicerçado em Stuart Hall, percebemos como o sistema de representações construído, ao longo da história, molda os sujeitos, criando estereótipos e perpetuando o mito da democracia racial no Brasil.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, C. M. M. Onda Negra, Medo Branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

BIBLIOTECA NACIONAL. Escravidão no Brasil: Projeto de escravos e escravidão da Biblioteca Nacional. Online: 1999. Disponível em: http://bndigital.bn.gov.br/projetos/escravos/introducao.html. Acesso: 01 de maio de 2017.

BRASIL. Lei Nº 11.645, de 10 de março de 2008. Inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso: 07 de maio de 2017.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. São Paulo: Contraponto, 1997.

GASPAR, Lúcia. Zumbi dos Palmares. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. Acesso: 14 de maio de 2017.

HAMBURGER, Esther. Telenovelas e interpretações do Brasil. São Paulo: Lua Nova, 2011.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidade e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

HALL, Stuart. The Work of Representation. In: _____. Representation, Cultural Representations and Signifying Practices. Londres/Nova Deli: Thousands Oaks/Sage, 1997.

IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf. Acesso: 04 de maio de 2017.

KELLNER, D. A Cultura da Mídia. Bauru: EDUSC, 2001.

LISBOA, Vinícius. Mesmo com maior participação, negros ainda são 17,4% no grupo dos mais ricos. Agência Brasil: 2015. Disponível: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-12/negros-aumentam-participacao-entre-os-1-mais-ricos-no-brasil. Acesso: 07 de maio de 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Entenda as cotas para que estudou todo o ensino médio em escolas públicas. Online: 2012. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cotas/perguntas-frequentes.html. Acesso: 05 de maio de 2017.

MELO, Roberta Araújo. A Representação do Negro nas Telenovelas. XVII Encontro Estadual de História, v.17, n.1. ANPUH: Paraíba, 2016.

ROUVENAT, Fernanda. Bruno Gagliasso registra queixa por ofensas racistas contra sua filha. Matéria publicada no portal de notícias G1. Online: 2016. Disponível: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/11/bruno-gagliasso-chega-delegacia-para-registrar-queixa-por-racismo.html. Acesso: 24 de maio de 2016.

SODRÉ, M. Claros e Escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1999.

VAN DIJK, Teun. Discurso, Notícia e Ideologia. Porto: Campo das Letras, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.